Oportunidade – Aberto edital Jornada Amazônia 4.0

Oportunidade – Aberto edital Jornada Amazônia 4.0

Aberto edital Jornada Amazônia 4.0

O Edital Jornada Amazônia 4.0, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), vai selecionar 20 empresas do Polo Industrial de Manaus para projeto-piloto de adoção de tecnologias da Quarta Revolução Industrial. Até o dia 16 de abril, as empresas poderão se inscrever clicando aqui. Também poderão tirar suas dúvidas pelo e-mail amazonia40@abdi.com.br, além de conferir o edital acessando a aba transparência do site da ABDI.

O investimento do projeto é de R$ 3 milhões e o objetivo é promover o aumento da eficiência, da produtividade e da qualidade dos produtos, e a redução de custos de produção. O edital vai selecionar 20 empresas dos setores de plásticos, eletroeletrônicos e metalomecânico. A iniciativa conta com o apoio da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM) e da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (SEPEC), do Ministério da Economia.

O Edital Jornada Amazônia 4.0 foi lançado em webinar, ocorrido nesta quarta-feira (dia 31), e transmitidos pelos perfis de YouTube da ABDI, da Suframa e da FIEAM. “Estamos contentes em poder contribuir com o crescimento da região a partir da difusão de tecnologias. O projeto vai impulsionar a nossa indústria em um outro patamar de produtividade, não só em Manaus, mas no Brasil”, disse o presidente da ABDI, Igor Calvet, na abertura do webinar.

“Queria destacar a importância da colaboração entre os atores envolvidos, como exemplo de articulação entre o público e o privado, para potencializar os ganhos para as empresas e para a sociedade”, afirmou a subsecretária de Supervisão e Estratégia da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/ME), Luiza Deusdará, durante o webinar.

O superintendente da Suframa, Algacir Polsin, que também participou do evento online, ressaltou a importância da parceria com a ABDI e os demais atores. “Temos que reforçar sempre o Polo Industrial e o projeto está coerente com esse esforço. Vamos melhorar a qualificação dos trabalhadores e os nossos rendimentos.  Estamos buscando irradiar o desenvolvimento do Polo Industrial para toda Amazônia ocidental, Santana e Macapá que é a área de responsabilidade da SUFRAMA”, disse

Segundo o presidente da CIEAM, Wilson Périco, “nós sabemos que a quarta revolução industrial vai trazer cada vez menos dependência de mão de obra. Nós temos que ter um olhar holístico para capacitar as pessoas e poder ocupar a mão de obra em outras atividades”.

O gerente da Unidade de Difusão de Tecnologias da ABDI, Bruno Jorge, explicou que o programa surgiu de uma estratégia da ABDI de levar tecnologias 4.0 para as indústrias, para o setor produtivo, para os serviços e para toda a economia. “A intenção é irradiar, escalar os resultados para o resto do país”, afirmou.

Jornada Amazônia 4.0

A primeira fase do programa é a seleção de 20 empresas, localizadas na área de abrangência do Polo Industrial de Manaus, de médio porte, das áreas de plásticos, eletroeletrônicos e metalomecânico.

A segunda fase será a realização do Estudo de Prontidão Tecnológica e a Jornada Amazônia 4.0 com a elaboração de análise da maturidade tecnológica, capacitação dos colaboradores em tecnologias 4.0, testbed (plataforma virtual) na empresa, em alinhamento com os princípios da Indústria 4.0.

Os produtos previstos, por empresa, são:
•    Relatório de Prontidão Tecnológica;
•    Roadmap (plano de ação) de transformação digital e atualização tecnológica com metas de ganhos de produtividade;
•    Treinamento das empresas e qualificação de colaboradores no conceito 4.0;
•    Implantação de pilotos da indústria 4.0;
•    Monitoramento e avaliação dos resultados obtidos na realização do projeto piloto em 20 empresas.

Os resultados potenciais esperados do processo de transformação digital são ganhos de capacidade produtiva; redução no custo de operação; aumento da visibilidade da cadeia logística e ganhos de eficiência.

Assessoria da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial

Deixe uma resposta