Iluminação especial comemora os 56 anos de regulamentação da Administração

Iluminação especial comemora os 56 anos de regulamentação da Administração

Localizada no topo do morro do Corcovado, no Rio de Janeiro, a estátua do Cristo Redentor será iluminada com luz azul por ocasião do Dia do Profissional de Administração, 9 de setembro, às 19h (hora Brasília). A homenagem é uma iniciativa do Conselho Regional de Administração do Rio de Janeiro (CRA-RJ), em parceria com o Conselho Federal de Administração (CFA). 

O monumento foi escolhido “pela sua importância e magnitude que tem o Cristo Redentor para os brasileiros e para o mundo. Não é só para o Brasil. Ele é um patrimônio que é visto por todo mundo. Quando as pessoas vêm ao Brasil, elas querem ver o Cristo”, explicou o presidente do CFA, Mauro Kreuz. 

Importante ponto de visitação, o Cristo recebe, em média, dois milhões de turistas por ano, de acordo com dados anteriores à pandemia. “Queremos chamar atenção para as comemorações dos 56 anos da nossa profissão. Queremos dizer para o Brasil: parabéns, profissional de Administração. O Cristo Redentor está nos homenageando também”, afirma Kreuz. 

Além da iluminação especial, durante todo o mês de setembro, o profissional ou estudante que apresentar a carteira de identidade profissional ou a carteira de estudante, físicas ou digitais, ganhará um desconto de 50% no bilhete para o Trem do Corcovado. A promoção é válida para todo o Sistema CFA/CRAs. 

Ícone brasileiro 

O Cristo Redentor é uma das sete maravilhas do mundo moderno e, desde 2012, é considerado pela Unesco parte da paisagem do Rio de Janeiro incluída na lista de Patrimônios da Humanidade. 

A estátua mais icônica do Brasil foi inaugurada no dia 12 de outubro de 1931, dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e possui trinta metros de altura, oito metros de pedestal e 28 metros de largura. 

O monumento é de autoria do engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa e construído em colaboração com o escultor francês Paul Landowski e com o engenheiro também francês  Albert Caquot, entre 1922 e 1931 na França. 

 

Assessoria de Comunicação CFA – Elisa Ventura